GASTRONOMIA
Terroir, palavra que mais confunde do que explica!
16/06/2009 às 11:27



Sei que este terreno é minado, não no sentido ruim , mas de assunto explosivo!


Há muita discussão em torno do que seja e para que serve o terroir, esta palavra francesa, que não encontramos uma tradução literal em nossa língua.


Vou apelar para um enólogo, dos mais competentes que conheço, que é o Marcelo Retamal, responsável pele linha de vinhos da De Martino no Chile.


“Terroir, para mim, é uma somatória da geologia; solo; clima;vinhedo e manejo”.

Grifei vinhedo e manejo, pois é aqui que eu quero me apegar um pouco mais nesta minha consideração sobre o tema.


Quando temos vinhedos diferentes, uvas distintas e, em parcelas diversas, para mim fica claro, que uma “parte” daquele terroir, está se expressando!


A mesma coisa se aplica, quanto ao manejo.


Terroir no meu entendimento, além é claro , de expressar com nitidez uma característica local , deve ter muito claro em que condições de manejo e com quais uvas e vinhedos estamos trabalhando,  claro que podemos assumir de pronto, que poderemos, e creio mesmo que temos, vários terroirs em uma mesma propriedade.


O solo não se modifica, independentemente de divisas?


Por que será que os mais antigos, que nada ou quase nada entendiam de terroir , procuravam vinificar seus melhores caldos, com “aquelas parreiras” , que formavam uma parte diferenciada dentro da parcela?


Eram melhores que outras, e eles ao longo de anos e mesmo de gerações, sabiam disso, e delas faziam seus tops.


O clima teria mudado em torno delas?


Talvez o manejo, visto serem as queridinhas ?

Agora, muito provavelmente a geologia e solo, não eram os mesmos, pois eram diferenciadas no meio das outras parreiras, estas que se destacavam como excepcionais.


Acredito que tenhamos que buscar uma tipicidade maior, que nos permita identificar os vinhos daquela região ou mesmo , daquela parcela de tal produtor, busca esta feita com critérios.


Ai vem a pergunta: Mas tipicidade é mais importante do que gosto?


Ou seja, deixar de fazer um vinho que ao longo do tempo já tenha caído no agrado , para buscar-se uma tipicidade, que muitas vezes irá pedir mudanças de manejo? Ou será melhor começar do zero com um novo vinho?


Vou colocar mais uma pitadinha nesta questão: Se o manejo da propriedade tender ao orgânico, ou mesmo ao biodinâmico, isto não muda tudo?


Eu particularmente, não por saudosismo, mas por constatação, vejo que os mais antigos é que sabiam respeitar os limites, no trato à terra, animais e natureza, ou seja, já praticavam a biodinâmica, com bons resultados para a época, sem saberem que o nome da cultura, gerações mais tarde,e seria este “BIODINÂMICA”então mãos à obra, e busquemos esta expressão individual , esta tipicidade, mas pensando mais holisticamente no todo, pois ai poderemos extrair verdadeiramente as melhores condições de cada parcela do parreiral.


Até o próximo brinde!

 

 

Álvaro Cézar Galvão

“O ENGENHEIRO QUE VIROU VINHO”

http://divinoguia.blogspot.com

11 9136-2953

 





Envie por email para um amigo

Leia mais sobre Hotelaria

COMENTÁRIOS

Não há comentário postado até o momento

COMENTE

Seu nome:
Seu email:
Deixar seu email visível: 
Cidade/Estado:

Escreva seu comentário


Digite o código abaixo:
33480



Canadá Inesquecível

HOME
QUEM SOMOS
FALE CONOSCO
TV ZILDA BRANDÃO
COLUNA ZILDA
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
ANTONIO SALANI

Mira & Destino é um site de informações turísticas, gastronômicas, negócios e novidades no mercado voltado para o público de alto luxo. Nossa intenção é trazer sempre o que de melhor acontece no mundo
BUSCA DE NOTÍCIA
RECEBA NOTÍCIAS

Desenvolvimento: Anderson Luiz