BUSINESS
"Nunca vivi plenamente a juventude. Talvez eu fosse melhor se tivesse sido um jovem menos intelectualizado"
Por Zildda Brandaoh - 15/09/2011 às 22:36



 É num tom de conversa entre amigos, com perguntas que mais sugerem reflexão do que respostas estritamente objetivas, que estreia, nesta quinta-feira (15/9), a segunda temporada do programa Sangue Latino na TV Cultura. Irá ao ar todas as quintas, às 23h.

O entrevistado de honra é Fernando Henrique Cardoso. No bate-papo com o apresentador Eric Nepomuceno, o ex-presidente da República fala de solidão, perdas, fantasmas, revolução cubana, frustração e, numa escala menor, política.

A conversa começa no campo pessoal, com FHC mensurando o tamanho da sua solidão: “É grande. Primeiro: não é a solidão no sentido de estar cercado por pessoas. Aliás, está o tempo todo. Mas é que você tem que ser muito reservado em muitas ‘matérias’, porque tudo o que se fala circula, e, no geral, deturpam. E segundo, porque certas questões no poder são suas e você não tem com quem conversar”.

Sobre seus fantasmas, é enfático: “Tenho horror à violência. Não suporto maltrato. Fico fora de mim”.

No campo da política ideológica, volta nos tempos em que a América Latina era social e politicamente mais próxima, e evidencia Cuba como um exemplo muito significativo para sua geração: “Era o pequeno contra a grade [Estados Unidos]. E Cuba conseguiu”, conclui fazendo alusão à revolução cubana.

Diante da pergunta “como você será lembrado pelo Brasil?”, diz “não estou seguro num longo prazo de ser lembrado. Agora, num prazo mais curto, pode ser que haja uma lembrança mais óbvia, a da estabilização da economia. Mas não é a que eu mais prezo. A que eu mais prezo é que fui um democrata”.

FHC é equilibrado ao falar das suas perdas: “Posso me queixar. Perdi pai, perdi irmão, perdi, mãe, perdi mulher, perdi amigos. Mas todos vamos perder [...] A vida me tirou porque sou um sobrevivente”. E continua: “Como eu digo sempre ‘eu converso com os que já se foram’. Fico imaginando o que fulano, beltrano, sobretudo a Ruth, que tinha grande influência sobre mim, diriam em certas circunstâncias”.

Sobre suas frustrações, revela que nunca viveu plenamente a juventude. “Eu era um jovem envelhecido. Não fui audacioso. Talvez eu fosse melhor se tivesse sido menos intelectualizado”.

O programa é uma coprodução do Canal Brasil, Urca Filmes e TV Cultura. A direção fica a cargo de Felipe Nepomuceno, filho do anfitrião.





Envie por email para um amigo

Leia mais sobre Business

COMENTÁRIOS

Não há comentário postado até o momento

COMENTE

Seu nome:
Seu email:
Deixar seu email visível: 
Cidade/Estado:

Escreva seu comentário


Digite o código abaixo:
33789



Canadá Inesquecível

HOME
QUEM SOMOS
FALE CONOSCO
TV ZILDA BRANDÃO
COLUNA ZILDA
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
ANTONIO SALANI

Mira & Destino é um site de informações turísticas, gastronômicas, negócios e novidades no mercado voltado para o público de alto luxo. Nossa intenção é trazer sempre o que de melhor acontece no mundo
BUSCA DE NOTÍCIA
RECEBA NOTÍCIAS

Desenvolvimento: Anderson Luiz